Pallets e Plásticos - Schoeller

Voltar

Logística reversa é tendência no mercado

Data: 18/10/2012

A expressão logística reversa é ampla, compreendendo diversas operações relacionadas à reutilização de produtos e materiais, além da recuperação sustentável de sucatas e subprodutos, no sentido de preservar o meio ambiente.

As questões relativas à logística reversa têm ganhado importância à medida que um conjunto de fatores de ordem estratégica, competitiva, econômica e ecológica ganham relevância no contexto atual. Frequentemente, as empresas preocupam-se com o fluxo direto dos seus produtos para os clientes, entretanto, lidam também com um fluxo reverso de peças e produtos aos seus processos, devido a devoluções, retorno de embalagens ou para tratamento e descarte.

A logística trata do gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de aquisição até o ponto de consumo. Atualmente, a grande maioria das empresas concentra seus esforços na gestão do fluxo nesse sentido, da empresa para o cliente.

Entretanto, de modo frequente as organizações trabalham simultaneamente com um fluxo reverso, ou seja, o retorno de produtos, materiais e peças ao seu processo de produção. Indústrias de siderurgia reutilizam como insumo de produção a sucata de clientes. A indústria de produtos eletrônicos, automobilística, de bebidas em geral, lidam com o fluxo de retorno de embalagem, produtos devolvidos por clientes e/ou com o reaproveitamento de materiais para produção.

Do ponto de vista logístico, a ciclo de vida de um produto não se encerra com sua entrega ao cliente. Em muitos casos a legislação obriga fabricantes a providenciar a coleta e dar a destinação à sucata ou àqueles produtos que possam causar externalidades negativas ao meio ambiente, como lâmpadas fluorescentes, pilhas, baterias de celulares, latas de alumínio, vidros para reciclagem e uma série de outros produtos.

Contudo, empresas incentivadas pelas Normas ISO 14000 e preocupadas com a gestão ambiental, também conhecida como “logística verde”, começaram a reciclar materiais e embalagens descartáveis, como latas de alumínio, garrafas plásticas e caixas de papelão, entre outras, que passaram a se destacar como matéria-prima e deixaram de ser tratadas como lixo. Dessa forma, podemos observar a logística reversa no processo de reciclagem. Pode-se observar a logística reversa em quase todos os segmentos do mercado, pois o retorno de mercadorias por diversos motivos é constante (retrabalho de material acabado, falha no picking, gerando pedidos errados, problemas com matéria-prima, embalagens, etc.).

Um processo de planejamento, implementação e controle do fluxo de matérias-primas, estoque em processo e produtos acabados (e seu fluxo de informação ) do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recapturar valor ou realizar um descarte adequado. Essencialmente é o processo inverso da logística tradicional que trata do fluxo de saídas de produtos das empresas em direção aos seus clientes.

A logística reversa é a área da logística que trata dos aspectos de retornos de produtos, embalagens ou materiais ao seu centro produtivo. Apesar de ser um tema extremamente atual, esse processo já podia ser observado há alguns anos nas indústrias de bebidas, com a reutilização de seus vasilhames, isto é, o produto chegava ao consumidor e retornava ao seu centro produtivo para que sua embalagem fosse reutilizada e voltasse ao consumidor final.

Esse processo era contínuo e aparentemente cessou a partir do momento em que as embalagens passaram a ser descartáveis.

Nesse contexto, compreende todas as operações relacionadas com a reutilização de produtos e materiais. Refere-se a todas as atividades logísticas de coletar, processar, recuperar e desmontar materiais, produtos e peças usadas. Envolve atividades como devolução por clientes, retorno de embalagens e coleta de materiais para serem recuperados.

Do ponto de vista logístico, o ciclo de vida de um produto não se encerra com a sua entrega ao cliente. Nesse sentido o conceito de logística reversa é mais amplo. Produtos danificados ou que não funcionam tornam-se obsoletos e devem retornar ao ponto de origem para reparo, reaproveitamento ou adequado descarte.